print logo

Diminui o entusiasmo pela energia nuclear

 IPS 01 April 2019

A catástrofe nuclear no Japão reabriu na América Latina o debate sobre a conveniência de avançar em planos de expansão de centrais atômicas. (1161 Words) - By Marcela Valente

Share

Por esse caminho seguirão Argentina e Brasil, que fizeram as apostas mais fortes, mas outros países que tinham apenas projetos, no momento os congelaram. Na região há cinco centrais nucleares operando. Duas estão na Argentina, que fornecem mais de 7% da eletricidade consumida no país, duas no Brasil, que somam 2,5% da matriz energética nacional, e uma com dois reatores no México, que atendem 2,3% da demanda.

Argentina e Brasil constroem cada um uma terceira central e seus governos se manifestaram decididos a manter esses planos, apesar das debilidades mostradas pelas centrais de Fukushima, severamente prejudicadas pelo tsunami ocorrido após o terremoto que atingiu o nordeste do Japão no dia 11. A crise nuclear no complexo de Fukushima ainda está em desenvolvimento e por isso não é possível saber o alcance dos danos que provocarão à saúde humana e ao meio ambiente o vazamento de radiação.

Na Argentina opera a Atucha I, na província de Buenos Aires, a cem quilômetros da capital do país, que funciona desde 1974 com potência de 370 megawatts. Há também a usina de Embalse, na província de Córdoba, em funcionamento desde 1984, que gera mais de 600 megawatts.

O programa nuclear argentino, congelado em meados da década de 1990, foi retomado em 2004 pelo governo de Néstor Kirchner, falecido no ano passado. Nesse contexto, a previsão para este ano é o término das obras de Atucha II, localizada junto a Atucha I, mas com o dobro de potência. Também está em processo o prolongamento da vida útil dos dois reatores mais antigos, com milionários investimentos para aumentar sua segurança. "Não encontro razões técnicas para que a Argentina adie seus projetos nucleares pelo que aconteceu no Japão", disse à IPS o engenheiro Jorge Barón, professor da Universidade Nacional de Cuyo. "Acredito que existam ensinamentos para melhorar nossos planos de gestão de emergência. Nossas centrais têm altos padrões de segurança, com inspetores da Autoridade Reguladora Nuclear residentes nos próprios complexos e planos de emergência testados para que um acidente não tenha impacto relevante na população próxima. Entretanto, isto não significa que acidentes não possam ocorrer", acrescentou.

A Argentina participa da Convenção de Segurança Nuclear, um convênio pelo qual os países com centrais atômicas informam eventos e se supervisionam mutuamente. "Na última vez, este país revisou a segurança nuclear da Alemanha e depois os alemães fizeram o mesmo na Argentina. É um excelente método para detectar falhas", explicou Jorge. "O projeto de extensão da vida útil de Embalse aumentará seus níveis de segurança e colocará a central na crista da onda", disse o especialista, utilizando uma metáfora pouco apropriada por estes dias. Por sua vez, o engenheiro Rodolfo Touzet, da Comissão Nacional de Energia Atômica, assegurou à IPS que as centrais argentinas possuem um sistema de contenção "muito melhor" do que as japonesas, de dupla cobertura - aço e concreto - apesar de não estarem submetidas a risco de catástrofes naturais como as do Japão.



No Brasil, as centrais estão localizadas em Angra dos Reis, 170 quilômetros ao Sul da cidade do Rio de Janeiro. Angra I, inaugurada em 1985, já prolongou sua vida útil e tem potência de 657 megawatts, enquanto Angra II opera desde 2001 e produz 1.350 megawatts. No ano passado, foi retomada a construção de Angra III, que até 2015 também produzirá outros 1.350 megawatts.



"Até agora, nenhum país declarou explicitamente que vai interromper seu programa de geração termonuclear por causa do desastre no Japão. O que se diz é que serão verificados os sistemas de segurança das usinas em funcionamento", disse à IPS Francisco Rondinelli, da Associação Brasileira de Energia Nuclear.



Por sua vez, Carlos Figueiredo, engenheiro da estatal Nuclebras Equipamentos Pesados, que produz equipamentos para centrais, destacou que a estrutura atômica brasileira é muito diferente da de Fukushima. "Nossa segurança é total porque depende de mecanismos naturais. A água para esfriar os reatores está em um depósito elevado e cairá por força da gravidade, sem exigir energia", afirmou. Além disso, os reatores são de água pressurizada, mais seguro do que os de água fervendo usados no complexo japonês, acrescentou.

Tanto na Argentina quanto no Brasil, os reatores são operados por empresas estatais e os órgãos de regulamentação, embora façam parte do sistema público, são integrados por especialistas independentes, asseguraram os especialistas consultados. Ao contrário dos dois grandes países sul-americanos, o México, que nos últimos anos havia namorado um aumento de seu parque atômico, agora se mostra menos decidido. O diretor da Comissão Nacional de Segurança Nuclear e Salvaguardas, Juan Eibenschutz, disse este mês que não há nenhum plano de expansão em seu país. "O México deve abandonar a energia nuclear o mais rápido possível porque é suja, cara e ineficiente, além de depender de tecnologia estrangeira", disse à IPS Eduardo Rincón, especialista em energia da Universidade Autônoma da Cidade do México.

O complexo Laguna Verde, operado pela Comissão Federal de Eletricidade, localizado no Estado de Veracruz, ligou seu primeiro reator em 1989 e somou outro em 1995, que produzem quase 1.400 megawatts. O plano estratégico da Comissão contemplava construir entre dois e dez reatores até 2028, embora ainda não tenham sido dados passos nessa direção. Laguna Verde emprega tecnologia semelhante à de Fukushima, já que produz com água em ebulição.

Nos três países, houve eventos que obrigaram a ajustar medidas de segurança e também acidentes com material radiativo, nenhum de grande magnitude.

Em razão do crescimento econômico da América Latina, países que nunca haviam incursionado nesse campo começaram a analisar a alternativa nos últimos anos. A Venezuela foi um deles, mas o acidente no Japão levou o presidente Hugo Chávez a se comprometer a congelar os planos que estavam em um nível preliminar. Também o Chile, que se mostrava mais decidido a avançar nesse caminho, agora resolveu adiar. "Durante nosso governo não será construída nem planejada nenhuma usina de energia nuclear", assegurou o presidente Sebastián Piñera esta semana, após visita de seu colega norte-americano, Barack Obama.

Embora esses dois países tenham assinado um convênio de cooperação científica nuclear, a ideia é estar preparado e com conhecimento dessa alternativa, nada mais, destacou Piñera. Há exatamente um ano, o Chile sofreu um terremoto de magnitude quase igual à do que atingiu o Japão seguido de um maremoto que deixou cerca de 600 mortos. O físico nuclear Roberto Morales, da Universidade do Chile, disse à IPS que seu país "ainda não está preparado para ter uma usina nuclear", embora não sem descartar a opção. "Os dispositivos de segurança dos reatores podem funcionar em qualquer parte do mundo", disse, mas para isso falta um núcleo maior de recursos humanos, acrescentou. Envolverde/IPS

* Com colaborações de Mario Osava (Rio de Janeiro), Pamela Sepúlveda (Santiago), Emilio Godoy (México).

Originalmente publicado pela Inter Press Service. www.streetnewsservice.org ©

SNS logo
  • Website Design